Crítica: Comportamento Suspeito (1998) - Sessão do Medo

28 de abril de 2019

Crítica: Comportamento Suspeito (1998)


No fim da década de 90, era muito comum encontrar produções situadas no ensino médio e não apenas dentro do terror. Com o público jovem voltando a firmar presença no cinema, as comédias românticas e os suspenses estilo Pânico e Eu Sei o que Vocês Fizeram no Passado começaram a ganhar mais evidência, gerando assim outras pequenas preciosidades como Prova Final (1998), filme de Robert Rodriguez que readaptava o clássico Invasores de Corpos entre um grupo de estudantes. Curiosamente, no mesmo ano foi lançado o já esquecido Comportamento Suspeito, que contava com a presença de James Marsden e Katie Holmes bem novinhos na época.

No entanto, ainda que não seja uma adaptação oficial, é óbvia a influência de outra obra seminal: As Esposas de Stepford, romance de Ira Levin (mesmo escritor de O Bebê de Rosemary) que inspirou o clássico de 1975. Marsden assume o papel de Steve, um adolescente que se muda com sua família para a cidadezinha de Cradle's Bay meses após o suicídio do seu irmão mais velho. Lá, ele acaba ficando amigo de Gavin (Nick Stahl), um rapaz excluído cujos únicos amigos é o sempre chapado U.V. (Chad Donella) e a misteriosa Rachel (Katie Holmes).

Gavin desconfia que há algo errado acontecendo na escola. Alunos que eram "rebeldes" misteriosamente se juntam aos Fitas Azuis, um grupo de alunos-modelos que se comportam de forma estranha, quase como robôs. Obviamente, ninguém acredita nele até que acontecimentos levam Gavin a se tornar um Fita Azul. A sua teoria de conspiração se torna cada vez mais real, obrigando Steve e Rachel a se juntar para investigar o que está acontecendo e encontrar uma solução para o problema.


Se formos analisar um pouco mais tecnicamente, é um filme bastante problemático - e isso é compreensível visto que sua produção foi tão problemática quanto. David Nutter, que hoje tá aí dirigindo vários episódios de Game of Thrones, teve seu material todo picotado pelo estúdio que estava super inseguro e não reagiu bem às inúmeras sessões-testes (que não foram ruins) e estava o tempo todo alterando, cortando cenas, refilmando finais e por aí vai.

A versão original de Nutter beirava as duas horas (uma grande diferença comparada aos 80 minutos da versão "oficial") e por mais que não fosse excelente, ainda era uma obra com menos buracos. Detalhes como a relação de Steve com o falecido irmão e seus pais, a arma que ele confisca de Gavin e até mesmo uma retrospectiva ao passado sombrio de Cradle's Bay que explicaria a suscetibilidade dos pais ao experimento fazia com que o suspense realmente se esforçasse pra vender sua ideia, subutilizada na versão que somos obrigados a assistir.

Essas brechas na edição final acabam afetando diretamente na conclusão do filme e empobrece ainda mais o material, que já não era grande coisa, só pegar por exemplo a solução acidental de enfraquecer os Fitas Azuis que eles encontram em uma armadilha de ratos construída pelo faxineiro da escola, interpretado por William Sandler. Junte isso à cena final completamente aleatória demandada pelo estúdio e pronto: a tragédia está feita.

Junte-se a nós.

O que é uma pena, porque por mais que seja um thriller bastante datado e cafona em certos momentos, acredito que a visão original dos responsáveis merecesse algo melhor que o ostracismo. Acabou se tornando uma bobagem que passou despercebida, ofuscada pelos companheiros que também surfavam na mesma onda.

Talvez o interessante de ter assistido Comportamento Suspeito totalmente às cegas foi esperar um suspense Supercine no estilo Segundas Intenções (1998) e acabar recebendo algo mais parecido com o já citado Prova Final. E ainda que esse fator tenha sido essencial para despertar meu interesse, não quer dizer que o filme seja exatamente bom. Mas talvez se você for um entusiasta dos filmes dessa época e estiver procurando algo para ver antes de uma boa noite de sono, esse suspense inofensivo pode ser sua escolha.

Título Original: Disturbing Behavior
Ano: 1998
Duração: 84 minutos
Direção: David Nutter
Roteiro: John S. Bartley, Scott Rosenberg, Trish Keating
Elenco: James Marsden, Katie Holmes, Nick Stahl, William Sadler, Bruce Greenwood, Katharine Isabelle