Crítica: The Perfection (2019) - Sessão do Medo

28 de maio de 2019

Crítica: The Perfection (2019)


Apenas dois dias depois que foi lançado pela Netflix, The Perfection (2019) já pode ser enquadrado como um daqueles casos do "ame ou odeie". Provocando as expectativas de muitos, o longa chamou a atenção pelo barulho de elogios que fez na sua exibição no Fantastic Fest 2018. Com um tema importante, a perfeição é ofuscada por uma direção mal executada  à base do exagero.

Para o bem ou para o mal, a história aqui não é nada do que você pensou. Partindo para a ideia como foi divulgado, o filme apresenta Charlotte (Alisson Williams, do maravilhoso Corra!), uma musicista que após conhecer a nova pupila da escola em que se formou, Lizzie (Logan Browning, da série Cara Gente Branca), acaba presenciando eventos sinistros entre as duas.

Dividindo a narrativa em quatro capítulos (Missão, O Atalho, Lar, O Dueto), o diretor Richard Shepard tenta equilibrar cada arco que será apresentado em seu suspense psicológico. O primeiro é a introdução do universo da música que tange as duas personagens, assim como elas se encontram. Nisso, o tom sensual combinado com uma trilha estridente e uma edição que foca em adicionar as camadas da misteriosa Charlotte são o que marcam esse início.

Já em O Atalho, era de se esperar que veríamos finalmente o embate entre as duas violoncelistas talentosas - no entanto, o roteiro opta por seguir um caminho previsível, acreditando ser fenomenal. Na tentativa de incomodar a audiência, The Perfection abraça um lado perturbador e agonizante, lançando a paranoia e a confusão num misto intenso que deixa uma aura confusa do que virá a seguir.

Só que no impasse para o terceiro ato é quando as coisas começam a desandar. Perdendo a mão para o bom efeito impactante que antes tinha alcançado, o que era pra ser a inversão para então mostrar do que tudo se tratava se torna uma escolha ilusória com o único objetivo de tentar chocar o público.


Subvertendo as impressões do que deveria ser um esgotante conflito para saber quem seria a grande estrela no final, nem que para isso Charlotte e Lizzie tivessem que jogar sujo, expondo suas nuances mais obscuras, o longa rapidamente demonstra a presunção que o molda, em que todo tempo quer passar o quão genial é. Só que não.

É completamente chato o quanto a montagem se repete em mostrar o trauma que acompanha Charlotte - assim como os efeitos sonoros, que inicialmente ecoaram assustadoramente e intensos, se tornam elementos recorrentes que não cansam de evidenciar o que já tinha sido estabelecido em outro ponto - ou não estava claro que a personagem veio com bagagens e só elas poderiam justificar o que aconteceu no primeiro ato?

ATENÇÃO: esse parágrafo contém spoilers. O longa se excede ainda mais em conveniências: sério que um movimento giratório com a câmera indicando o furor se injetando em Lizzie foi o suficiente para embasar que ela sabia onde encontrar o paradeiro de sua adversária? E por que não poupou tempo para receber respostas, mas quis antes se reintegrar à escola de música? 


Dentro do terceiro ato, faltava pouco para que então as peças se encaixassem e todo o alvoroço fizesse algum sentido. Ao contrário disso, só serviu como mais um exemplo do quanto Shepard forçou a barra tentando fazer o filme parecer o que não é quando poderia seguir caminhos diferentes para a real problemática que quis debater.

É indiscutível como questões como manipulação, abuso psicológico, estupro e as sequelas por tais atos são relevantes para serem discutidas e terem a atenção devida, ainda mais pelo longa retratar o meio com o qual uma instituição exerce o domínio para cometer crimes hediondos contra suas vítimas.

Após deixar claro a abordagem e a discussão que queira desencadear, o diretor volta a direcionar as lentes para um olhar exorbitante, desnecessário e grosseiro bem nos últimos segundos, firmando a apelação para um efeito visual chocante até a entrada dos créditos finais. 

The Perfection poderia ser um baita suspense se não tivesse tentado, de todas as formas exageradas na sua curta duração, causar impacto de qualquer maneira no espectador. 

Título: The Perfection
Ano: 2019
Duração: 90 minutos 
Direção: Richard Shepard
Roteiro: Eric C. Charmelo, Richard Shepard e Nicole Snyder
Elenco: Allisson Williams, Logan Browming, Allaina Huffman, Steven Weber, Molly Grace