Melhores posters do terror e suspense em 2019 - Sessão do Medo

31 de dezembro de 2019

Melhores posters do terror e suspense em 2019


Ah, fim de ano. É típico e sempre bom relembrar o velho para nos prepararmos para o novo. Dos bons e maus momentos com o terror e suspense que tivemos esse ano, aos menos portamos belíssimos cartazes sobre os gêneros — quem aí concorda que alguns posters superam os filmes? Portanto, vamos aqui revisitar os vinte melhores cartazes que não caíram nas graças de um conceito repetitivo, mas esbanjaram criatividade e aproximação para com às suas respectivas tramas.

Annabelle 3: De Volta Para Casa e Brightburne: Filho das Trevas


Para o terceiro filme da franquia da boneca amaldiçoada, o poster de Annabelle 3 foi interessante ao destacar na porta que dá acesso ao quarto de objetos capturados pelo casal de demonologistas Ed e Lorraine Warren (Patrick Wilson e Vera Farmiga, respectivamente), que nada que está lá dentro deve ser tocado e não deixar esquecer que o longa se trata de mais um capítulo do universo Invocação do Mal.

Já o segundo cartaz se trata do Superman às avessas ou melhor dizendo, Superman maligno. A maneira como a história de Brandon Breyer (Jackson A. Dunn) se asemelha com a versão da chegada do herói da DC na terra são inegáveis. Destacando a pegada sobrenatural do filme e com o gracioso tom de  vermelho, o poster denuncia a ameaça e destruição que o garoto representa, e como está com sede de concretizar isso. Para tantos outros cartazes duvidosos sobre crianças do mal, esse foi uma grata surpresa.


A Hora da Sua Morte e Daniel Isn't Real


Se você pudesse saber exatamente quando vai morrer, iria querer saber? Com a premissa sobre um aplicativo que prevê o dia, a hora, minutos e segundos que seus usuários têm de vida, o ainda inédito no Brasil A Hora da Sua Morte já se mostra mais do que batido com a sua trama, mas um dos cartazes divulgado trouxe um defunto num smartphone representando um caixão resumindo todo o conceito por trás da ideia do longa, o que achei genial. Morte? Temos um aplicativo para isso.

O filme Daniel Isn't Real sabe lá quando vai ser lançado no território nacional, mas o cartaz tratou de trazer uma beleza efervescente com tons de rosa, verde e azul evidenciando o espectro do personagem principal. Na história, Luke (Miles Robbins) invoca seu amigo imaginário Daniel (Patrick Schwarzenegger) após sofrer um trauma familiar. O poster e sinopse já sugerem tudo, mas deve ser curioso conferir mais uma premissa sobre a persona perigosa que convidamos para lidar com nossas questões.

Darlin' e Obsessão



Sequência do prestigiado The Woman: Nem Todo Monstro Vive na Selva (2011), a jovem garota que encabeça o título do filme, Darlin (Lauryn Canny) foi encontrada e abrigada por um lar católico, ao qual todo custo tenta transformar sua natureza primitiva para que seja uma "menina comum". No entanto, a garota esconde segredos, e tampouco a Mulher (Pollyanna Mclntosh) vai esquecer da garotinha que carregou consigo e fará de tudo para resgatá-la. O cartaz foi certeiro em caracterizar a ligação de Darlin (querida, em português) com a Mulher ao colocar uma adolescente de corpo virado enquanto a personagem de Pollyanna está por perto, apoiada aos seus pés, além do slogan que diz "não mexa com a natureza materna". Darlin' foi lançado em 12 de julho deste ano nas plataformas digitais e tinha sido exibido em alguns cinemas americanos selecionados.

"Todos precisam de amigo", diz o slogan do cartaz. Na trama, Chloe Grace Moretz vive Frances, uma jovem com problemas familiares que em dada circunstância acabou conhecendo Greta (Isabelle Huppert), a qual passou a nutrir um tipo de obsessão pela garota. Assim como outros cartazes, o foco foi alguns em detalhes que envolvem o relacionamento das duas protagonistas, mas foi ótimo ter um corte na cabeça de Isabelle e em cima ter a personagem de Moretz sugerindo o quanto Greta é obcecada. Depois de muito adiamento, Obsessão estreou no dia 13 de junho deste ano.

A Morte te dá Parabéns 2 e Haunt


Há quem curtiu, há quem não, mas no que dá para concordar é que os cartazes de A Morte te dá Parabéns são ótimos. O segundo não teve uma variedade como o antecessor, mas ter o mascarado segurando um cupcake com uma vela em cima destacando que se trata de uma sequência, foi ótimo. Mais um Dia dos Namorados sangrento para você.

Se passando no Halloween, Haunt, filme da dupla de roteiristas de Um Lugar Silencioso (Scott Beck e Bryan Woods) trouxe um grupo de amigos adentrando uma casa que promete se alimentar dos seus piores medos. O pesadelo dá início quando eles percebem que realmente estão se deparando com que realmente temem. Haunt ganhou uma porrada de posters individuais, e o que usamos em questão, reúne cinco máscaras dos sádicos que tocam o terror no longa.

Eu Sou Mãe e It: Capítulo Dois


A mistura de ficção científica e suspense psicológico do filme original Netflix acabou gerando críticas mistas. E na raridade de cartazes bonitos do grande streaming, Eu Sou Mãe teve a sorte de ter um poster significativo que coloca um robô como figura materna sobre um longa que discute sobre o papel da maternidade.

Tá, It: Capítulo Dois foi uma enorme decepção para muitos, mas vamos combinar que os cartazes foram ótimos. E de vários, esse foi o escolhido. O olhar intimidador do palhaço te encara e também as câmeras, ou melhor, quem está perto de você.

Na Fábrica e Eu Aprisionei o Diabo


Filmes de terror já trouxeram tantas ideias para acarretar uma maldição sobre os personagens, mas que tal uma que traz maus bocados na vida daqueles ao qual um vestido vermelho passa? Essa é a premissa de Na Fábrica, novo terror do britânico Peter Strickland e o cartaz é simples em destacar a ameaça do red dress flutuando.

Aprenda a lidar com seus medos, é o que sempre ouvimos. Por isso há um homem sentado em frente a uma porta de um porão e em cima de sua cabeça, uma cruz, e tudo isso porque ele acredita que aprisionou seus conflitos, e que talvez se tratasse do próprio diabo.

O Farol e The Lodge


No próximo dia 2 de janeiro, juntamente com Frozen 2, estaremos de encontro com o primeiros filme de terror de 2020, O Farol, novo filme de Robert Eggers (A Bruxa). E para dar um gostinho do que nos aguarda, o cartaz estampa uma gaivota pra lá de assustadora e um fundo preto. 

Nada pior do que quando você está se esforçando para as coisas funcionarem, e outras surgirem para botar tudo a perder. Prestes a se tornar uma madrasta, Grace (Riley Keough) ver a oportunidade que tinha de se conectar com os filhos do seu noivo ir por água abaixo quando percebe que há algo sobrenatural à espreita. Acompanhando o clima gélido do filme, o cartaz demonstra um floco de neve, e na ponta, uma cruz invertida sugerindo o mal que cerca a família.

Luz e Midsommar: O Mal Não Espera a Noite


De boa Luz não tem nada, mas o elogiado longa traz a personagem título uma mulher perseguida possuída por um espírito maligno que a todo tempo deseja possuir outros corpos. Como evidente, o cartaz mostra como acontece a possessão. O longa se trata de uma luz sobre os filmes de possessão?

O cartaz do segundo filme de Ari Aster é excelente por três motivos. O primeiro, o contraste de cores. O segundo, a sugestão do festival ao qual o grupo de amigos viajam para participar, e o último porquê é a nitidez para a perturbação emocional que a personagem de Florence Pugh sofre. Para quem assistiu, vai entender que Dani não poderia estar estável.

Maligno e Nós


Por mais que o final de o Maligno tenha sido um pouco diferente, o longa foi clichê aos montes e com isso fraquejou em sua trama. Porém, o cartaz foi essencial em exemplificar o mal hereditário que persegue a família ao colocar Miles (Jackson Robert Scott), a mãe Sarah (Taylor Schlling) com as mãos nos ombros do filho, e também duas mãos em cima dos seus ombros, indicando que uma maldição foi passada um para o outro.

Agora sobre Nós, é só elogio a mais um acerto de Jordan Peele. Nós somos o pior no que há em nós? Somos, mas não se engane em achar que abordagem de Peele foi simples. A divulgação do filme foi excelente, e o cartaz em questão demonstra a complexidade e dualidade dos personagens. 

The Wolf Hour e Contato Visceral


Ao olhar para o cartaz de The Wolf Hour, suspense psicológico com Naomi Scott, é notável sua beleza. Scott vive Jude Leigh, uma ativista na década de 60 que entrou em declínio, e durante um episódio de crise e violência nas ruas de Nova York, ela se vê tentada a enfrentar seus demônios. O poster é eficiente em destacar tal conflito e complexidade de Jude.

Como um dos filmes mais detestados deste ano, o também suspense psicológico Contato Visceral fez muito barulho por nada, como alguns ponderaram, e aí vai mais um cartaz que salienta sobre a complexidade do protagonista com belo uso de cores. E além de ter ali um momento chave do longa, a imagem destaca as feridas virtuais e físicas que se abrem depois que Will (Armie Hammer) tem contato com um celular misterioso.

Bônus: The Wind


Para encerrar, vale a pena falar de The Wind, terror psicológico dirigido por Emma Tammi. O cartaz então retrata a luta em que a protagonista passa: posicionada em frente a porta de sua casa, com uma espingarda ao lado, preparada para a chegada da entidade que ameaça a região de adentrar a sua casa.

Sessão do Medo deseja à todos vocês um Feliz Ano Novo, e em breve voltaremos com mais conteúdo.